terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Livro: O portal

Título: O portal
Título original: Mon
Autor: Natsume Soseki
Tradutor: Fernando Garcia
Editora: Estação Liberdade

Publicado originalmente em 1910, O portal é o terceiro livro da trilogia informal de Soseki, formada também por E depois e Sanshiro, em que o autor discute as mudanças pelas quais o Japão passou entre os séculos XIX e XX. Nesse romance, ele narra sobre um casal que leva uma vida tranquila e tem um relacionamento aparentemente bem resolvido, mas que devido a um acontecimento no passado, parece apartado do mundo externo. 

O que me chamou a atenção nesse livro é como o autor escreve sobre as miudezas do cotidiano, como domingos preguiçosos, tarefas domésticas, preocupações com dinheiro e visitas ao vizinho mais rico. Os personagens têm uma vida em que quase nada acontece e na maior parte do tempo há pouquíssima tensão, mas mesmo assim eu me vi completamente envolvida pelo cotidiano simples dos personagens e pela personalidade pouco assertiva deles.

Mais para o final do livro há uma mudança: o conflito do protagonista se intensifica, o que o leva a uma viagem para um templo. Talvez por eu ter ficado tão envolvida com o cotidiano simples e a dinâmica entre o casal, talvez por eu não ser uma pessoa muito interessada em coisas espirituais, só sei que achei essa parte bem chata e fiquei bastante decepcionada, porque até então eu estava adorando a leitura. Uma pena.

Lido para o Desafio Livrada! (um livro japonês).

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Randomicidades do mês: janeiro / 2017

Mais da metade de fevereiro se passou e só agora consegui escrever este post. Janeiro foi um mês produtivo no início, com aquela energia e motivação para se dedicar ao entretenimento que só os meses iniciais do ano possibilitam, mas depois tive que trabalhar e perdi o ânimo. Apesar disso, o ritmo de leitura não foi muito alterado e conseguir ler bastante coisa.

Livros lidos


Just Kids - Patti Smith
Vi um monte de gente falando bem desse livros de memórias da Patti Smith sobre seu relacionamento com o artista Robert Maplethorpe e decidi dar uma chance, mesmo não conhecendo nada do trabalho de nenhum do dois. O livro tem trechos interessantes e deve agradar quem tem algum interesse na cena artística da época. Eu sinceramente achei um pouquinho enfadonho.
Nota: 2,75


A garota no trem - Paula Hawkins
Essa foi uma leitura bastante rápida que correspondeu às minhas expectativas. É um thiller envolvente, com uma narradora alcólatra nada confiável e com algumas supresas aqui e ali. No geral, não é um livro incrivelmente marcante, mas é um bom entretenimento.
Nota: 3,75


A cidade sinistra dos corvos; O hospital hostil; O espetáculo carnívoro - Lemony Snicket
Continuo acompanhando as desventuras dos Baudelaire, que se tornam cada vez mais sofridas e misteriosas (e bizarras). É um pouco estranho reler uma série da qual eu não me lembro tão bem assim, porque de vez em quando esqueço de algumas coisas e fico toda empolgada me questionando sobre os mistérios e só então lembro do que aconteceu.
Nota: 4


A amiga genial - Elena Ferrante
Nota: 5


Histórias de horror - Vários autores
Estou com esse livro na estante há um tempão. É uma coletânea distribuída gratuitamente com o intuito de disseminar o gosto pela leitura e, teoricamente, depois de ler devemos passar o livro para a frente. Isso me deixa meio culpada, porque demorei tanto para finalmente ler que agora acho que o projeto já nem existe mais. De qualquer forma, os contos do livro foram retirados daquela coletânea da Companhia das Letras de capa listrada e são de autores clássicos, como Conrad, Poe e Stevenson. Não amei nenhum, mas nenhum desagradou. Curiosamente, o conto que achei mais interessante foi o do Conrad, sobre um barco maligno. Barcos são assustadores.
Nota: 3


Universo desconstruído - Vários autores
Outra coletânea de contos, dessa vez de histórias de ficção científica com viés feminista. A ideia é boa, muitos contos têm premissas interessantes, mas infelizmente pouquíssimos me agradaram (e alguns foram muito chatos). O destaque foi "Projeto Áquila" da Gabriela Ventura, história muito instigante, bem construída e bem escrita.
Nota: 2


O portal - Natsume Soseki
Acho que vou resenhar esse aqui, nem que seja uma micro-resenha, então falarei dele no futuro.
Nota: 4


A escola do bem e do mal - Soman Chainani
Acho difícil falar desse livro sem comparar com Ever After High porque a premissa deles é bem semelhante, com a escola para personagens de contos de fadas, e mesmo as protagonistas lembram um pouco a Raven e a Apple (ou foi meu cérebro que decidiu imaginá-las assim). No entanto, o livro tem muitas ceninhas de ação que achei chatas, os personagens são meio trouxas e eu esperava que ele abalasse os pilares do bem e do mal, mas no final ele meio que se reduziu a uma mensagem conformista. Claro, é o primeiro volume, coisas interessantes podem acontecer no futuro, mas não vou saber se acontecem ou não, pois não me animei com a série o suficiente para continuar lendo.
Nota: 3

Quadrinhos


Mate minha mãe - Jules Feiffer
Amo o Jules Feiffer e a arte dele nesse livro é sensacional. Tem umas páginas que dá vontade de enquadrar na parede. Porém, a história em si não é tão boa quanto eu gostaria e é um tanto confusa, em parte porque muitas das personagens femininas são parecidas entre si e também porque são muitas tramas acontecendo ao mesmo tempo em um livro relativamente curto.
Nota: 3,5

Comecei a ler: Fullmetal Alchemist (Hiromu Arakawa)

Animes / séries


Hibike! Euphonium 2
Segunda temporada desse anime incrivelmente bem produzido sobre personagens que fazem parte da banda escolar. Apesar de a série continuar boa como antes, eu estar mais apegada aos personagens e nessa temporada eles finalmente mostrarem uma apresentação musical bem feita e sem interrupções, que era o que eu esperava de um anime sobre música, de resto eu achei que houve foco demais em draminhas sem muita importância e em personagens secundários. O anime ficou com um ar meio desconjuntado. E o ship já era. :(
Nota: 3,75


Gakuen Handsome
Anime curtinho com a arte mais maravilhosa da história da animação! Sério, esses queixos pontudos são lindos demais! O anime, baseado em um jogo, é sobre um garoto normal que conhece um monte de caras bonitões na escola. É uma paródia de obras yaoi e é bem zoado. Vi muita gente dizendo que não achou engraçado, mas até que eu achei, pelo menos em alguns episódios.
Nota: 3

Comecei: Desventuras em série, Bernard-jou Iwaku

Filmes


O convite
Vi algum blog falando desse filme e fui assistir meio de impulso, coisa rara para mim. É um filme bastante curioso sobre um grupo de amigos que não se via há muito tempo e se reúne para um jantar. Os anfitriões têm algumas atitudes estranhas, mas apenas o protagonista parece se incomodar.
Nota: 3,5


Hibike! Euphonium - O filme
É basicamente um recap da primeira temporada. E um recap preguiçoso, porque não teve quase nada de cenas adicionais. É bom para quem não lembra tão bem do anime e pretende assistir a segunda temporada, como eu, mas não serve para muito além disso.
Nota: 3


Babadook
Não sou de assistir filmes de terror porque tenho medo de ter medo, mas tanta gente falou bem dele que resolvi ver com os meus próprios olhos. Gostei da abordagem mais psicológica do filme, não gostei muito das cenas em que a criatura aparece porque achei meio trash e, no final, não fiquei com medo. Não sei se isso é bom ou não.
Nota: 3,5


Um cadáver para sobreviver
História sobre um cara solitário que encontra um cadáver peidorento multiuso. É um filme estranho, engraçado e triste ao mesmo tempo.
Nota: 3,5


Anima Buenos Aires
O filme reúne quatro curtas de animação argentinos de estilos bem variados. O primeiro é talvez o mais interessante, sobre um açougueiro que enfrenta a concorrência de um novo supermercado. Achei os outros um pouco arrastados, mas talvez seja só porque estou mais acostumada a curtas bem curtos.
Nota: 3

Aquisições

Eu não comprei nada, mas minha irmã comprou dois livros (inclusive mais um dos Moomins *-*) e pegou o mangá em uma troca.


Foi isso. Daqui a não tanto tempo assim já está na hora das randomicidades de fevereiro. :P

domingo, 22 de janeiro de 2017

Livro: A amiga genial

Título: A amiga genial
Título original: L'amica geniale: infanzia, adolescenza
Autora: Elena Ferrante
Tradutor: Maurício Santana Dias
Editora: Biblioteca Azul

Depois de muito protelar a leitura desse livro por um certo receio de não gostar tanto quanto todos gostaram, finalmente li A amiga genial e me rendi à Elena Ferrante.

Acho que todos já sabem mais ou menos sobre o que é o livro, então vamos nos ater ao básico: A amiga genial é o primeiro romance da série napolitana, sobre duas amigas, Lenu e Lila, que vivem em um bairro pobre de Nápoles. Narrado por Lenu, esse volume conta sobre o início da amizade entre as duas, a fascinação que Lila exerce sobre Lenu devido à sua esperteza, a vida cotidiana violenta da vizinhança, os esforços das duas para conseguir progredir na vida em uma época em que as mulheres não tinham muitas opções.

Em questão de enredo, o livro talvez não ofereça nada de incrivelmente inovador que justifique todo o rebuliço que ele provocou, mas há algo na escrita da autora que é viciante e delicioso e dá vida aos personagens e aos ambientes descritos. Achei o livro maravilhoso e digno dos elogios que recebeu por aí. Gostaria de conseguir explicar melhor por que gostei e tal, mas é tão difícil falar de livros que amei e tão mais fácil falar de livros que odiei... De qualquer forma, estou curiosa para continuar a história com o segundo volume da série!

Livro lido para o Desafio Livrada! (livro que você ganhou de um amigo).

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Desafios e projetos para 2017

Demorei um pouco para decidir os desafios literários de que participarei em 2017, porque ao mesmo tempo que estou meio cansada do formato, não resisto a um bom desafio. No final, escolhi participar do Desafio Livrada! pela segunda vez e fazer uma espécie de TBR Jar e sortear alguns livros da estante para ler durante o ano. Na onda dos sorteios, aproveitei para sortear alguns animes e mangás também. 

Além desses desafios, vou continuar com o Volta ao mundo em 80 livros, que se encaminha para seu quinto ano, e pretendo retomar o Projeto Ghibli, que está parado faz um tempo.

Desafio Livrada!

O Desafio Livrada! consiste em quinze categorias para se ler durante o ano, sem nenhuma ordem específica. A última categoria é um livro escolhido pelo Yuri, criador do desafio.

1. Vencedor do prêmio Jabuti
Acho que o único livro que se encaixa nessa categoria que tenho em casa é o Cinzas do norte do Milton Hatoum, então é ele que escolho.

2. Um livro japonês
Provavelmente lerei O portal do Natsume Soseki, mas se eu mudar de ideia ou ele se encaixar em outra categoria, tenho Botchan, também do Soseki, e Tsugumi (Banana Yoshimoto) me esperando na estante.

3. Um livro que explore o erotismo
Alguém sabe se Confissões de uma máscara do Yukio Mishima se encaixa no tema? No Goodreads quatro pessoas o classificaram como "erotica", mas quatro pessoas não é muita coisa, né.

4. Um roman a clef
Essa categoria me deixou confusa. Vi em uma lista no Goodreads o livro É assim que você a perde do Junot Díaz e, por enquanto, essa é minha escolha, mas não estou pondo muita fé. De segunda opção tenho o Retrato do artista quando jovem do James Joyce.

5. Livro com um protagonista detestável
Pensei em duas opções: Tirza (Arnon Grunberg) ou Oblómov (Ivan Goncharov).

6. Um livro triste
Passando os olhos pelos meus livros, nenhum tem muita cara de "sou triste", então vou deixar essa categoria em aberto, porque com certeza vou encontrar uma leitura triste pela frente em algum momento do ano.

7. Um autor que você conheceu pessoalmente
Aqui considerei autores que eu vi em palestras e não autores que conheço de verdade, porque senão a coisa ficaria limitada demais. Escolhi o Bom dia, camaradas do Ondjaki.

8. Um livro com engajamento político
Ainda estou aqui do Marcelo Rubens Paiva.

9. Um livro que você ganhou de um amigo
Achei que não tinha nenhum, até me dar conta de que A amiga genial (Elena Ferrante) foi um presente da minha irmã. Como ela leu antes de mim, achei que ela tinha comprado para ela (coisas de quem compartilha os livros). Inclusive, essa é a minha leitura do momento. Estou quase acabando (e amando).

10. Um romance psicológico
Mesma coisa da categoria 6.

11. Um livro de antes do Renascimento
Estou a fim de ler algo do teatro grego, mas preciso ver o que tem na biblioteca, então só vou escolher quando chegar lá. Se nada me atrair, vou de O livro do travesseiro da Sei Shonagon.

12. Um livro resenhado pelo Livrada!
Antigamente meu gosto literário combinava muito com o do Yuri, então foi só ver umas resenhas antigas que encontrei o que buscava: Vida, jogo e morte de Lul Mazrek do Ismail Kadaré, autor de quem gosto muito, mas que não leio faz um tempão.

13. Um livro de correspondência
Não consegui pensar em nada muito interessante, então por enquanto vou de As relações perigosas do Choderlos de Laclos. Alguém tem sugestões?

14. Um livro que se passa num lugar que você já foi
Pensei em Barba ensopada de sangue do Daniel Galera, que se passa em Garopaba, cidade que visitei uma vez (e só choveu).

15. Vida e destino - Vassili Grossman
Provavelmente não lerei. Desculpa, parece ser chato. Talvez eu leia o livro obrigatório do ano passado, As aventuras do bom soldado Svejk do Jaroslav Hašek.

Livros sorteados para 2017

O portal - Natsume Soseki
Vida encantada - Diana Wynne Jones
Stories - Neil Gaiman (org.)
O menino que desenhava monstros - Keith Donohue
É assim que você a perde - Junot Díaz
Coisa de louco - John O'Farrell

Por sorte, todos os livros são tranquilos de ler. Admito que estava com medo de sortear todos os calhamaços de uma vez. E deu para encaixar alguns no Desafio Livrada!, o que é sempre bom.

Mangás sorteados para 2017

Koe no Katachi - Yoshitoki Ooima
Onanie Master Kurosawa - Takuma Yokota (arte) e Katsura Ise (história)
Uzumaki - Junji Ito

Como não leio tanto mangá e não tenho muitos na minha lista de leitura, achei que sortear apenas três já está de bom tamanho. Todos os sorteados são mangás que eu queria ler faz tempo, então fiquei contente com o que a aleatoriedade me entregou.

Animes sorteados para 2017

NieA Under 7
Code Geass
Chouyaku Hyakuninisshu: Uta Koi
Paradise Kiss
Fushigi no Umi no Nadia
Hoozuki no Reitetsu

Enquanto minha lista de mangás para ler é bem enxuta, a lista de animes é uma bagunça. Não lembro por que adicionei a metade deles, tanto que quando fiz o sorteio não reconheci três dos seis sorteados, mas dando uma olhada por cima, eles parecem bem legais!

Esses são os meus plano para 2017 em questão de leituras e cia. Veremos o que vou conseguir cumprir!

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Retrospectiva 2016: desafios literários

Para fechar as retrospectivas de 2016, vou falar sobre os desafios literários de que participei. 2016 não foi um ano em que eu estava muito empenhada em completar qualquer um dos desafios. Se o tema me agradasse e/ou eu tivesse livros disponíveis que se encaixassem nele, ótimo. Se não, ótimo também. Assim, não completei nenhum dos desafios, mas cheguei bem perto de completar um deles. Meu post escrito no começo de 2016 com as ideias de leituras está aqui.

Desafio Skoob

Foi um ótimo desafio para desencalhar livros da estante. Dos treze livros lidos, a maioria eu já tinha em casa. O desafio me estimulou a finalmente ler alguns livros que eu estava evitando, como Hamlet e O menino que se trancou na geladeira.

Só deixei de ler o livro de abril, porque não gostei do tema e não consegui pensar em nenhuma leitura que me agradasse.

Minhas leituras foram as seguintes:

JANEIRO - Gênero Fantasia
O vitral encantado - Diana Wynne Jones

FEVEREIRO - Autor(a) Asiático(a)
Declínio de um homem - Osamu Dazai
Irmãos - Yu Hua
Terra e cinzas - Atiq Rahimi

MARÇO - Livro escrito por mulher
To the lighthouse - Virginia Woolf

ABRIL - Livro sobre Holocausto

MAIO - Autor(a) Africano(a)
O fio das missangas - Mia Couto

JUNHO - Livro com 3 palavras no título
Vernon God Little - DBC Pierre

JULHO - Livro com Serial Killer
Os crimes ABC - Agatha Christie

AGOSTO - Biografia
A drifiting life - Yoshihiro Tatsumi

SETEMBRO - Autor(a) Brasileiro(a)
O menino que se trancou na geladeira - Fernando Bonassi

OUTUBRO - Thriller Psicológico
Love - Stephen King

NOVEMBRO - Clássicos da Literatura Estrangeira
Hamlet - William Shakespeare

DEZEMBRO - Nome de Cidade, Região ou País no Título
Budapeste - Chico Buarque

Desafio Livrada!

Nesse desafio, fui encaixando os livros que lia nas categorias, sem me planejar muito. Resultado: não li nada em algumas categorias meio fáceis, mas tudo bem. No final, completei 11 das 15 categorias, o que não é ruim.

1- Um prêmio Nobel

2- Um livro russo
O beijo e outras histórias - Anton Tchekhov

3- Um cânone da literatura ocidental
To the lighthouse - Virginia Woolf

4- Uma novela
A exposição das rosas - István Örkény

5- Um livro que você não sabe por que tem 
História do dinheiro - Alan Pauls

6- Um autor do seu estado
O menino que se trancou na geladeira - Fernando Bonassi

7- Um livro publicado por uma editora independente
Quando o imperador era divino - Julie Otsuka

8- Uma ficção histórica
The Witch of Blackbird Pond - Elizabeth George Speare

9- Um livro maluco
Eeeee Eee Eeee - Tao Lin

10- Um livro que todo mundo já leu menos você

11- Um autor elogiado por um escritor de quem você gosta 
O vitral encantado - Diana Wynne Jones

12- Um livro bobo
Sendo Nikki - Meg Cabot

13- Um romance de formação
Irmãos - Yu Hua

14- Um livro esgotado

15- As aventuras do bom soldado Svejk

Desafio Volta ao mundo

Esse desafio não teve muita adesão. As pessoas começaram animadas, mas foram abandonando aos poucos. De qualquer maneira, ele me incentivou a ler um livro da Indonésia, que eu provavelmente não leria se não fosse por ele, e acabei gostando bastante da minha escolha. Li quase todos os livros "obrigatórios" e ignorei a maioria dos bônus. Infelizmente, fiz uma confusão e não li nada da Austrália porque achei que a China era o país de novembro e a Indonésia, de dezembro, hahaha.

Janeiro: Argentina
História do dinheiro - Alan Pauls

Fevereiro: México
Arrecife - Juan Villoro

[Bônus: Colômbia]

Março: Canadá
As aventuras de Pi - Yann Martel

[Bônus: Islândia]
A raposa sombria - Sjón

Abril: Irlanda
O mar - John Banville

Maio: Finlândia
Os Moomins e o chapéu do mago - Tove Jansson

[Bônus: Alemanha]

Junho: França
As Coisas - Georges Perec

Julho: Nigéria
O mundo se despedaça - Chinua Achebe

[Bônus: África do Sul]

Agosto: Irã

Setembro: Índia
O pintor de letreiros - R. K. Narayan

Outubro: Japão
O rosto de um outro - Kobo Abe

[Bônus: China]

Novembro: Indonésia
Beauty Is a Wound - Eka Kurniawan

Dezembro: Austrália

E esses foram os desafio de que participei em 2016. Ainda estou pensando sobre o que fazer em questão de leituras em 2017 e logo escrevo aqui.

sábado, 7 de janeiro de 2017

Retrospectiva 2016: cinema & TV

Mais uma retrospectiva do ano que acabou. Não sou tão sistemática com o registro de séries e filmes como sou com livros, então esse post não vai ter um monte de números como o anterior, só a lista de favoritos mesmo (e no caso dos filmes, não tenho muito o que falar sobre cada um. Sou ruim em comentar filmes).

Animes e séries


Shouwa Genroku Rakugo Shinjuu
Com certeza o melhor anime do ano! Mangás e animes sempre surpreendem ao tratar de alguma arte/esporte que poucos conhecem e que, na teoria, não despertam muito interesse, e transformá-los em algo fascinante. Aqui temos o rakugo, espécie de teatro de uma pessoa só, muito popular durante certa época, mas que perdeu espaço para novas formas de entretenimento. Os protagonistas do anime (pelo menos dessa primeira temporada) são dois jovens aprendizes dessa arte, cada um buscando sua própria voz. Com ótima ambientação de época, trilha sonora e dublagem, além de apresentações de rakugo muito bem-feitas, esse é um anime que merece ser mais visto. Escrevi mais sobre ele aqui.


Six Feet Under
Série sobre a família Fisher, que administra uma casa funerária. Lidar todos os dias com os mortos com certeza não é fácil, e na série acompanhamos os personagens em seu trabalho e em seus (muitos) dramas. Com humor negro, alguns dramas pesados, personagens bastante humanos, diálogos espertos e episódios memoráveis, essa é uma série que parece que caiu um pouco no esquecimento, mas que certamente vale a pena assistir.


Yuri!!! on ICE
O anime que quebrou o Crunchyroll e uniu todas as tribos (menos os homofóbicos). Também é o anime sobre o meu esporte preferido, o que significa que além de acompanhar a história, eu assisti tudo de olho nas referências à patinação. A série está longe da perfeição, mas ela merece muitos dos elogios que andou recebendo por aí: ela apresenta algumas ótimas cenas de patinação, personagens carismáticos, boa trilha sonora, revelações inesperadas, cenas divertidíssimas e um casal que provocou o maior rebuliço internet afora. Falei um montão sobre o anime aqui.


Mahou Shoujo Madoka Magica
Tenho uma longa lista de animes super famosos, influentes e amados que nunca vi. 2016 foi o ano de tirar Madoka da lista. Esse é um anime de garotas mágicas dark que, em vez de se concentrar na fofura, mostra os perigos e sacrifícios de ser uma heroína. É uma série bastante intensa e, mesmo sem eu conseguir me apegar às personagens, sofri um bocado com certos acontecimentos. Ainda não acho que Madoka seja assim tão inovador quanto alguns dizem, mas com certeza é um anime interessante. Escrevi sobre ele aqui.


Terrace House
Reality show japonês que reúne em uma casa pessoas que não se conheciam anteriormente e nós observamos como elas interagem, como se comportam, etc. Basicamente, um Big Brother com menos participantes, sem confinamento, sem eliminações e sem prêmio. Qual é a graça disso? Antes de assistir, eu não estava botando muita fé no programa e nos primeiros episódios não vi muita graça, mas aos poucos você vai se acostumando ao jeito nipônico de ser e se apegando aos participantes (e aos comentaristas, que são hilários!). Para nós brasileiros, também é interessante observar as diferenças entre os costumes japoneses e os nossos.

 

Flying Witch
Anime sobre uma aprendiz de bruxa que vai passar um tempo na casa dos tios em uma cidadezinha do interior. Com personagens carismáticos e belos cenários, o grande trunfo da série é transformar acontecimentos banais, como cuidar de uma horta ou passear no bosque para colher ervas, em algo encantador. Ótimo anime para relaxar. Escrevi mais sobre ele aqui.

Filmes


A garota de fogo
Fui assistir porque o filme tem uma personagem que gosta de anime e sonha em ter o vestido de certa garota mágica, mas acabei me deparando com um filme bem mais pesado e angustiante do que esperava, o que foi ótimo. Uma das melhores surpresas do ano!


Dente canino
Esse filme é estranho. Tem pais que isolam os filhos do mundo externo e educam com métodos bem pouco usuais. Tem umas cenas tensas e outras engraçadas, mas que fazem você se sentir meio mal por estar achando engraçado. 


O quarto de Jack
Boa adaptação do livro, com ótimas atuações dos dois protagonistas. Continuo preferindo o livro, mas isso não tira os méritos do filme. 


Confissões
Filme japonês sobre uma professora que teve sua filha morta por dois de seus alunos e decide se vingar. Gostei bastante do estilo narrativo.

 

Rubber
Às vezes a vida tem dessas: você vai assistir ao filme porque ele parece tosco e zoado, mas ele acaba sendo um dos seus preferidos do ano, melhor que muito filme sério e clássico por aí. Rubber é sobre um pneu que ganha vida e passa a rolar por aí explodindo pessoas. Por que ele faz isso? No reason!


Sita Sings the Blues
Animação que mistura lendas indianas, músicas da cantora Annette Hanshaw e a vida da própria diretora, tudo com um estilo bastante único. 

E vocês? Quais foram seus destaques do ano?

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Retrospectiva 2016: leituras

Finalmente o post de retrospectiva de 2016 chegou! Esse foi um ano em que li bastante, mas, assim como 2015, não tive grandes favoritos. Li muitos quadrinhos, continuei lendo livros de países bem variados (mas os EUA continuaram dominando fortemente) e, infelizmente, li bem mais autores homens que mulheres.

Números

117 livros lidos
Entre eles:
11 releituras
26 HQs (sendo 14 delas mangás)
9 livros de contos/novelas
2 peças teatrais
1 livro teórico

34 livros escritos por mulheres e 76 escritos por homens
(sim, a conta não fechou direito)

Li livros de 29 países diferentes, 10 deles válidos para o meu Desafio Volta ao Mundo em 80 Livros.
Os países mais lidos foram:
EUA: 31 livros
Inglaterra: 23
Japão: 21 (14 deles são mangás)
França: 7
Brasil: 6
Finlândia, Austrália, Irlanda: 2

Melhores leituras

Diga aos lobos que estou em casa - Carol Rifka Brunt
Às vezes acho que já estou saturada de literatura Young Adult. A maioria dos personagens é chata e muitas das histórias são carregadas de clichês. Mas de vez em quando me deparo com um livro como esse e mudo de ideia. Situado na década de 1980, Diga aos lobos é um romance sobre uma forte amizade entre uma menina e seu tio. E também é sobre perda, solidão, relações familiares e segredos. É bonito e doloroso. E sempre me surpreendo ao lembrar que foi o livro de estreia da autora e, por enquanto, único que ela escreveu.


Lucille - Ludovic Debeurme
Quadrinho francês sobre um relacionamento entre uma menina anoréxica e um menino desajustado com uma família de passado trágico. O traço simples e o estilo sem quadros funciona bem para contar essa história melancólica. Infelizmente, esse é o primeiro volume de uma série que ainda não terminou e que provavelmente demorará muito para ser publicada aqui no Brasil.


Umbigo sem fundo - Dash Shaw
2016 realmente foi o ano dos quadrinhos para mim. Enquanto poucos livros me conquistaram para valer, os quadrinhos em geral foram grande surpresas. Essa HQ narra um encontro de família. Os pais, já idosos, anunciam que vão se divorciar e isso provoca reações variadas nos filhos e netos. Enquanto um se entrega incessantemente a memórias do passado, buscando os motivos por trás da decisão dos pais, outra aceita o divórcio com aparente naturalidade, enquanto o caçula, que sempre se sentiu a ovelha negra da família, tenta lidar com sua insegurança.


The Wedding Eve & outras histórias - Hozumi
Mangá que reúne seis histórias curtas e que foi uma das minhas maiores surpresas do ano. A maioria dos contos trata de relacionamentos familiares e muitos deles tem acontecimentos à primeira vista banais, mas que revelam camadas mais profundas à medida em que se lê. Fiquei impressionada com o talento da autora e pretendo ler mais da obra dela no futuro. Resenhei o mangá aqui.


Só para fumantes - Julio Ramón Ribeyro
Li esse livro de contos no começo de 2016 e já não tenho mais tantas lembranças de cada história para poder escrever aqui com propriedade. Só digo que o livro é uma delícia de ler, com histórias bastante variadas, mas sempre com o estilo conciso e elegante do autor. Espero ler outros contos dele no futuro!


Os Moomins e o chapéu do mago - Tove Jansson
Depois de alguns anos conhecendo os Moomins apenas de vista, finalmente me aventurei nos livros das criaturinhas rechonchudas. Nesse, que é o terceiro volume da série, os personagens vivem altas confusões devido a uma chapéu mágico que encontram largado por aí. Adoro a ingenuidade meio sem noção dos personagens e o jeito ranzinza de certo filósofo. Pura fofura! Resenhei o livro aqui.


Enclausurado - Ian McEwan
Já fui bem fã do Ian McEwan, mas acho que desde a decepção com Solar, não lia mais nada dele. Enclausurado chama a atenção pelo seu narrador inusitado: um feto atento a tudo o que acontece ao seu redor, acompanhando de perto sua mãe e o amante dela planejando matar seu pai. O feto não poupa comentários mordazes sobre tudo, o que torna o livro bem divertido.


O muro -  Céline Fraipont e Pierre Bailly
Mais um quadrinho para a lista. O muro narra a história de uma menina solitária no fim dos anos 1980. Sua mãe abandonou a família, o pai está sempre trabalhando fora, e a menina, à beira da adolescência, se sente desorientada e entediada. Apesar de eu ter achado o fim meio abrupto, a arte cheia de sombras e a protagonista desajustada me conquistaram.


O boxeador polaco - Eduardo Halfon
Livro de contos desse autor da Guatemala de quem nunca tinha ouvido falar. Não esperava muita coisa e me surpreendi com as narrativas que se entrelaçam umas com as outras e que podem ser lidas independentemente ou como um romance. Protagonizadas por um personagem chamado Eduardo Halfon, muitas delas tratam de literatura e arte sem ser pedantes. Resenhei o livro aqui.


O museu do silêncio - Yoko Ogawa
Essa foi uma das minhas últimas leituras do ano e conseguiu um lugarzinho aqui na lista. O livro é sobre um estranho museu que reúne objetos de pessoas mortas para preservar suas memórias. Gostei do ar de mistério que permeia a obra e do cenário isolado e não identificado que colabora para provocar certo estranhamento no leitor. Além disso, acompanhar o trabalho do museólogo foi bem mais interessante do que eu imaginava que seria.




Piores leituras

O menino que se trancou na geladeira - Fernando Bonassi
Esse foi o livro de que menos gostei em muito, muito tempo. Até o avaliei com apenas uma estrela no Skoob! É sobre um menino que vive em uma sociedade muito parecida com a nossa, mas com os podres exagerados (aquelas coisas de sempre: desigualdade social, corrupção etc.). A ideia por trás do romance é até interessante e o livro tem boas sacadas, mas ele é escrito de uma maneira muito irritante e se torna demasiado repetitivo depois de um tempo. Reclamei sobre o livro aqui.


Nove plantas do desejo e a flor de estufa - Margot Berwin
Eu gosto de plantas, então o livro não precisaria de muito para me conquistar, mas ele faz tudo tão errado que até dói. Os personagens são sem graça e/ou estereotipados, há um monte de erros sobre fauna e flora (muitas das tais plantas do desejo que a protagonista vai procurar no México são plantas banais nativas de outros lugares, por exemplo) e o livro tenta criar um misticismo que realmente não é a minha praia. Sei lá, acho que esse é um livro viajado demais para mim.



Esses foram os meus destaques positivos e negativos de 2016. Quais foram os seus?