quinta-feira, 17 de maio de 2018

Randomicidades do mês: abril/2018 - Animes,séries e filmes

Continuando com as randomicidades do mês...

Animes / séries


Eve no Jikan (ONA)
Esse anime parte das leis da robótica de Asimov para criar um mundo em que robôs estão bastante presentes na sociedade e são quase indistinguíveis de humanos na aparência, exceto por um halo luminoso sobre a cabeça que eles devem manter ligado. Dois adolescentes descobrem por acaso um café para humanos e robôs que prega a não-discriminação entre as duas espécies. Os jovens começam a frequentar o local e conhecem pessoas e robôs variados que mudam suas ideias sobre os androides. Achei o anime interessante, mas ele não consegue explorar totalmente suas ideias e tramas nos poucos episódios (há um filme também, mas ele é basicamente um compilado dos episódios com alguns extras, pelo que ouvi falar).
Nota: 3,75


Sora Yori mo Tooi Basho
Mesmo com pouco hype inicial, esse anime se transformou no queridinho da última temporada. Se eu não tivesse assistido quando a série já estava para acabar e os elogios vinham de todos os cantos, talvez não tivesse esse leve gostinho de decepção, de “não achei o anime tudo isso, não”, que tive. Sora Yori é sobre um grupo de garotas do ensino médio que parte para uma expedição na Antártida. Cada uma tem sua personalidade e motivação e é bonito acompanhar a evolução pessoal delas e os vínculos entre elas crescerem. O anime é agradável, divertido, fofo e tem momentos emocionantes, mas não senti tudo tão intensamente quanto a maioria das pessoas sentiu e, no geral, não fui muito cativada. Ainda assim, é um anime bem bom.
Nota: 3,75


Aiura
Anime curtinho sobre três garotas e suas vidas comuns. O que chama atenção de cara é sua abertura bizarra com caranguejos e o Steve Jobs. No entanto, o anime é até que bem convencional e não tem nada de crustáceos nem de Steve Jobs. O máximo de excentricidade encontrado nele é a personalidade de alguns personagens. Para um anime curto, a animação é de boa qualidade, e a dublagem é bem boa, com vozes marcantes e gostosas de ouvir. Os episódios passam voando, talvez porque quase metade deles seja ocupada pelas músicas de abertura e encerramento. Se você busca algo fofinho e divertido para passar o tempo, é uma boa pedida.
Nota: 3,5


Chef’s Table: Confeitaria
Em um passado não tão distante, comecei a assistir Chef’s Table e parei depois do segundo episódio, que achei meio chato. Outras temporadas foram lançadas, mas não me animei a continuar, até que essa nova temporada cheia de delícias chegou. Em apenas quatro episódios, o documentário mostra a vida e o trabalho de quatro confeiteiros bem diferentes, que fazem de doces tradicionais a criações inusitadas. Meu preferido talvez tenha sido o primeiro episódio, sobre a Christina Tosi, que faz doces com gostinho de infância e me deixou com um grande desejo por cookies. O que faltou na série, na minha opinião, é falar mais sobre algumas das sobremesas autorais e diferentonas dos dois últimos chefs mostrados. A série escolhe um ou dois pratos e mostra o processo criativo por trás deles, mas muitos outros pratos são mostrados sem comentário nenhum. Preferia saber mais sobre cada sobremesa e saber menos sobre a vida dos confeiteiros.

Filmes


Tag
Filme bizarro que se inicia com a incrível cena de um grupo de estudantes num ônibus sendo decapitado por um vento cortante assassino. Assisti porque a protagonista é a Tori-chan, uma das comentaristas de Terrace House, e acabei gostando. Recomendo para quem gosta de muita sanguinolência e mensagens feministas.
Nota: 3,5


Lady Bird
Filmes coming of age sobre uma adolescente que deseja deixar Sacramento, sua cidade natal, e fazer faculdade em algum lugar distante. O filme é agradável, mas não vi nada de muito especial nele e achei a protagonista meio chatinha.
Nota: 3,25


De olhos bem fechados
Li a novela que inspirou o filme há um tempinho, mas já não lembrava quase nada, o que talvez tenha sido bom. O filme mostra um homem que, após saber que a esposa tinha desejos sexuais por outro homem, vai a uma estranha festa secreta à qual não foi convidado e se envolve mais do que deveria. Estava receosa de que o filme fosse chato, mas acabei gostando bastante.
Nota: 4


Orange – Mirai
O filme mostra o que aconteceu após os acontecimentos do anime/mangá, mas cerca de metade dele é composto por uma recapitulação (desnecessária, na minha opinião) da série original. O filme é bonitinho e tem seus momentos doces e emocionantes, porém me pareceu desnecessário e me fez lembrar que eu realmente não gosto da protagonista.
Nota: 2,75


W.E.
Assisti porque gosto da trilha sonora, que é utilizada com certa frequência na patinação. Não sabia muito bem sobre o que era a história e não esperava grande coisa. E realmente não é grande coisa, mas também não é ruim. O filme entrelaça duas histórias: o romance entre o rei Eduardo VIII e a divorciada Wallis Simpson, que levou o rei a abdicar do trono, e a vida de uma mulher nos dias de hoje que é fascinada por essa história.
Nota: 3


O bar
Um grupo de pessoas fica preso em um bar quando um atirador misterioso mata dois homens que saíram de lá. Em pânico, eles tentam entender a situação, mas a tensão só cresce entre eles. O filme acabou se revelando bem diferente do que eu esperava (eu imaginava algo mais no estilo de um drama sobre pessoas diferentes confinadas em um mesmo lugar, sem muita ação ou suspense). Algumas coisas do enredo são meio inverossímeis, mas a história é bastante envolvente.
Nota: 3,5

Curtas


Yodaka no Hoshi
Baseado em uma história de Kenji Miyazawa, o curta conta a história de um pássaro que é rejeitado e tripudiado por outras aves, mas em vez de confrontá-las, busca uma solução pacífica. A arte é bonita em seus tons azulados, mas a história não me convenceu muito.
Nota: 2,75


Death Billiards
Esse anime é parte de um projeto de incentivo a novos animadores e fez tanto sucesso que rendeu uma série de anime para a televisão. Dois homens chegam a um bar sem lembrar como foram parar ali. O bartender fala que eles precisam jogar uma partida de bilhar como se suas vidas dependessem disso, o que faz os dois se dedicarem intensamente ao jogo enquanto relembram momentos de suas vidas. O anime faz tudo muito bem e consegue criar uma história coesa e interessante em seus trinta minutos.
Nota: 4

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Randomicidades do mês: abril/2018 - Livros

Como não podia deixar de ser, estou com os posts todos atrasados aqui no blog. Preciso recuperar minha antiga vontade de escrever, mas tá difícil...

Em abril, vi um monte de filmes e terminei um número razoável de séries, por isso vou deixá-los para uma segunda parte do post, para não ficar longo demais.

Livros


País sem chapéu – Dany Laferrière
Após vinte anos de exílio, o protagonista volta ao Haiti, reencontrando a família, os amigos, os lugares de sua infância e juventude e os costumes locais. Ele logo se interessa pelos relatos de mortos que vagam por aí e parte atrás de respostas para entender melhor seu país natal. Não conhecia nada da literatura haitiana, então foi um primeiro contato interessante.
Nota: 3


Neuromancer – William Gibson
É um clássico da ficção científica, mas eu achei de uma chatice tremenda. O livro conta a história de um ex-cyber cowboy banido da matrix que se envolve em um novo caso perigoso. Achei o livro arrastado e confuso, principalmente nos momentos em que os personagens estão no cyberespaço. É uma grande pena, pois a edição é linda. Curiosamente, gostei mais dos contos que essa edição traz no final do que do romance.
Nota: 2


Sempre vivemos no castelo – Shirley Jackson
Merricat, Constance e o tio Julian vivem com o mínimo contato possível com outras pessoas desde que o resto da família morreu de envenenamento e Constance foi acusada de assassinato. Apesar disso, eles levam uma vida bastante tranquila, até que a chegada de um primo transforma suas rotinas. A narração de Merricat, infantil e imaginativa, mas bastante observadora, ajuda a criar o clima misterioso e estranho.
Nota: 4


O mundo explicado por T.S. Spivet – Reif Larsen
T.S. Spivet é um garoto muito inteligente que adora desenhar mapas. Ao ganhar um prêmio, ele parte sozinho em uma jornada pelos Estados Unidos, descobrindo mais sobre si e sobre sua família no caminho. O livro apresenta ilustrações, mapas, diagramas e anotações que Spivet fez, o que é interessante, mas às vezes atrapalha o fluxo da leitura. O que mais me incomodou no livro, no entanto, foi a tentativa de abarcar diversos tipos de história em um único romance. É como se o livro não soubesse muito bem se quer ser um drama familiar, uma narrativa de viagem ou uma aventura com sociedades secretas, e nenhuma das partes é muito bem conectada ou concluída.
Nota: 3


The Garden Party – Katherine Mansfield
O livro reúne quinze contos bem variados. Alguns eu já tinha lido antes, como "Miss Brill", o meu favorito, mas a maioria me era desconhecida. São histórias que a princípio parecem simples, apenas vislumbres das vidas dos personagens, escritas de uma maneira que lhes dá muita profundidade.
Nota: 3,5


Lady Susan – Jane Austen
Não sou grande fã da Jane Austen (e estou adiando até hoje a leitura de Orgulho e preconceito), mas fiquei curiosa a respeito desse livro porque ele apresenta uma protagonista diferente das outras obras da autora. Lady Susan é uma viúva que tenta empurrar a filha para um casamento por dinheiro enquanto se diverte seduzindo homens e procura um marido ainda mais rico para si. A personagem é ardilosa e manipuladora, o que torna o livro bem divertido.
Nota: 3

Quadrinhos


Epileptic – David B.
Quadrinho autobiográfico sobre a experiência do autor com o irmão epiléptico, Jean-Christophe. Os ataques epilépticos constantes do irmão afetaram a vida de toda a família e levaram os pais a buscarem todo tipo de cura, como acupuntura e temporadas em comunidades macrobióticas, sem sucesso. Achei a HQ meio longa demais e repetitiva, com explicações desnecessárias sobre cada tipo de tratamento, mas isso se explica em parte pelo fato de ela ter sido publicada originalmente em vários volumes. Me incomodei um pouco com a maneira que o irmão do autor foi retratado, como se fosse um preguiçoso que culpa a doença para não fazer nada. Me pareceu meio cruel, sei lá.
Nota: 3

Aquisição


Participei de uma feira de trocas, mas acabei trocando só um livro. Tenho curiosidade em conhecer algo desse autor.

---

Por enquanto é isso. Em breve publico o post dos filmes e séries. ;)

domingo, 8 de abril de 2018

Randomicidades do mês: março/2018

Procrastinei demais para escrever este post, mas ele finalmente ficou pronto! Foi um mês sem nenhum grande destaque, mas li e vi algumas coisas interessantes.

Livros


Stoner – John Williams
Esse livro foi bastante comentado e elogiado ao ser lançado por aqui. Publicado em 1965, esquecido por anos e redescoberto ao ser reeditado, o livro narra a vida de William Stoner, filho de agricultores que descobriu a paixão pela literatura. Sua vida é bastante comum, com suas pequenas alegrias e decepções, mas isso não torna a leitura menos fascinante.
Nota: 4,25


Cortejo em abril – Zulmira Ribeiro Tavares
Reúne um conto mais longo, que dá título ao livro, e vários contos curtinhos. Gostei bastante de “Cortejo em abril” sobre a rotina de um “conserta-tudo” no dia do cortejo fúnebre de Tancredo Neves. Quanto aos outros contos, achei meio esquecíveis.
Nota: 3


A pista de gelo – Roberto Bolaño
O livro alterna o ponto de vista de três personagens: o vigia de um camping, o proprietário do camping e de outros comércios e um funcionário da prefeitura. A história dos três se cruza em uma pista de gelo clandestina em um antigo casarão. Decidi ler esse livro apenas porque uma das personagens é patinadora, mas acabei gostando bastante. Há um certo mistério que torna a leitura envolvente.
Nota: 3,75


A festa de Babette - Karen Blixen
Novela sobre uma senhora francesa, Babette, que se exilou na Noruega e trabalha como criada na casa de duas irmãs puritanas. Ao ganhar na loteria, Babette oferece às irmãs e seus convidados um grande jantar. Gosto do estilo da autora, mas achei a história meio sem graça.
Nota: 3


Kitchen – Banana Yoshimoto
Após a morte da avó, uma jovem vai morar com um rapaz e sua mãe. Apesar de mal os conhecer, ela é conquistada pela bondade e hospitalidade da dupla e logo os três se tornam uma família improvisada e improvável. Achei bonita a relação entre os personagens, mas a história não é lá muito marcante. O livro também inclui o conto “Moonlight Shadow”, também sobre a morte.
Nota: 3


Operação impensável – Vanessa Barbara
A autora conta sobre o relacionamento de um casal traçando paralelos com a Guerra Fria, objeto de estudo da protagonista e tema do jogo de tabuleiro preferido dos personagens. De maneira bem-humorada, através de e-mails e comentários sobre os filmes que eles assistem, vamos conhecendo o casal e acompanhando o relacionamento que começa a se desgastar aos poucos. O excesso de referências e piadas internas entre o casal me irritou um pouquinho no começo, mas isso é o que distingue o livro de vários outros sobre fins de relacionamento.
Nota: 3,5


Secondhand World – Katherine Min
Isadora Myung Hee Sohn é filha de imigrantes coreanos. Sufocada pelo ambiente familiar rígido e sentindo-se preterida pelos pais, que valorizam mais o filho morto do que a filha, Isa se rebela e tenta fugir da sombra dos pais. Gostei do livro e achei os personagens interessantes. O final me surpreendeu (mesmo sabendo o que ia acontecer, porque o livro fala do incêndio logo nas primeiras páginas) e me deixou com vontade de saber mais sobre os pais da protagonista.
Nota: 3,5

Quadrinhos


My Lesbian Experience with Loneliness – Nagata Kabi
Nesse mangá autobiográfico acompanhamos os problemas da autora com distúrbios mentais e a dificuldade de se conectar com as pessoas. Após crises de depressão e ansiedade, ela decide perder a virgindade com uma prostituta, na esperança de viver uma experiência “adulta”. O relato é bastante honesto e é fácil se identificar com as dificuldades da autora. A arte é fofinha e o texto tem certa leveza que tira o peso dos temas abordados.
Nota: 3,75

Animes e séries


The End of The F***ing World
Série de humor negro sobre dois adolescentes desajustados que fogem de casa juntos. Alyssa é uma jovem rebelde negligenciada pela mãe; James é um garoto que acredita ser psicopata e vê em Alyssa uma possível vítima. Os dois deixam sua cidadezinha para trás e, claro, acabam se metendo em problemas durante a viagem. A série não é nenhuma maravilha, mas achei bem divertida.
Nota: 3,5


Hataraku Maou-sama
Anime sobre um demônio que, ao perder uma batalha em seu reino, vem se refugiar na Terra, onde se torna atendente de um fast-food. Antes de começar a ver, achei que o anime trataria mais da adaptação de um demônio maligno a uma vida moderna e comum, mas o personagem é bastante bonzinho e se adapta rapidamente. A maior parte do anime se concentra na tensão entre o demônio e seus inimigos que desejam eliminá-lo. Apesar disso, achei o anime bem divertido, mesmo sendo bobo e tendo mais ação do que eu esperava, e acabei gostando dos personagens.
Nota: 3,5


Fargo (1ª temporada)
Série levemente baseada no filme homônimo dos irmãos Cohen. Tem alguns paralelos, o mesmo estilo e faz referência ao filme de vez em quando, mas não é preciso assisti-lo para entender a série, que se inicia com um sujeito comum que se vê envolvido em um crime e tenta se safar, provocando problemas em sua cidadezinha. Demorei um tempão para começar a ver a série porque os episódios são muito longos, mas quando assisti, mal via o tempo passar.
Nota: 4,5

Filmes


Kubo e as cordas mágicas
Perseguido pelas tias e pelo avô, Kubo parte em uma jornada atrás de armas lendárias tendo apenas um shamisen mágico e uma macaca como ajudante. Visualmente, o filme é incrível; já a história, achei meio fraquinha e clichê.
Nota: 3


Projeto Florida
Filme sobre uma menina que mora em um hotel de beira de estrada. Enquanto a garota faz amizades e apronta por aí, atazanando os moradores e o gerente do local, a mãe tem dificuldade em arranjar dinheiro para sobreviver. Gostei do filme, mas esperava mais. As crianças me irritaram um pouco, elas são barulhentas e bagunceiras demais.
Nota: 3,25


Piano no Mori
Shuhei é um pianista talentoso, que pratica desde pequeno. Ao ouvir falar sobre um misterioso piano na floresta, ele conhece Kai, o único que consegue tocar o tal piano. Enquanto Shuhei toca com técnica e disciplina, Kai é espontâneo e se deixa levar pela música. Apesar dos estilos opostos, os dois se tornam grandes amigos. Esse é um filme fofinho e gostosinho de assistir. O enredo não é dos mais criativos, mas o desenvolvimento dos personagens é interessante. Uma versão para a TV será lançada em breve, estou curiosa para ver.
Nota: 3,75


Ex Machina
Filme sobre um programador, Caleb, que ganha a oportunidade de testar uma inteligência artificial criado por um empresário. Ao conhecer a androide Ava, Caleb se surpreende com sua complexidade e começa a se afeiçoar a ela. Achei bem interessante.
Nota: 3,5


O homem que sabia demais (1956)
Filme do Hitchcock sobre um casal e seu filho que se envolvem em uma trama de espionagem ao encontrarem um sujeito misterioso no Marrocos. A trama é meio mirabolante e no final fiquei com algumas perguntas não respondidas, mas pelo menos ele prendeu a minha atenção.
Nota: 3,25

Curtas


Piper
Curta da Pixar sobre um filhote de ave que enfrenta o medo das ondas do mar. Adoro esnobar a Pixar, mas nesse caso não vai dar, achei o filme fofíssimo.
Nota: 4


But Milk Is Important
Curta sobre um homem que tem dificuldade de interagir com os outros, evitando os vizinhos bem-intencionados. Um dia, um monstrinho branco aparece em sua casa. O homem tenta evitá-lo a todo custo, mas a criatura o segue por toda a parte, empurrando-o para enfrentar seus medos. O visual do filme é uma graça (principalmente o monstrinho), a história é fofa.
Nota: 3

Compras


Aproveitei a promoção do dia das mulheres na Saraiva para comprar alguns livrinhos. O da Shirley Jackson atrasou e só chegou em abril, mas se eu deixá-lo para um próximo post, vou acabar esquecendo. :P

segunda-feira, 12 de março de 2018

Randomicidades do mês: fevereiro/2018

Enrolei e enrolei, mas finalmente consegui escrever o post de Randomicidades do mês!

Livros


O último homem na torre – Aravind Adiga
Gosto muito do Aravind Adiga, mas achei esse o livro mais fraco dele. A premissa é interessante: um construtor quer comprar um prédio antigo e oferece um monte de dinheiro aos moradores, que, em sua maioria, aceitam a oferta. Quem resiste é um professor aposentado que não quer abandonar o lar e se dobrar ao dinheiro. O construtor começa a botar pressão nele e os moradores, antes tão unidos, passam a ver o amigo com maus olhos. O livro funcionaria melhor se fosse um pouco mais conciso e menos exagerado. Ainda assim, não é um livro ruim.
Nota: 3,25


Aristóteles e Dante descobrem os segredos do universo – Benjamin Alire Sáenz
YA sobre o relacionamento entre dois garotos. Ari é um garoto solitário, com um irmão na cadeia e um pai silencioso. Dante é mais confiante, articulado e afetuoso. Aos poucos eles vão se conhecendo a se aproximando. É um livro simples e gostosinho de ler.
Nota: 3,5


Mudança – Mo Yan
O livro narra algumas experiências do autor e as mudanças culturais e econômicas que aconteceram na China nesse período. É um livro curtinho e agradável de ler, mas nada muito marcante. Alguns dos acontecimentos narrados são divertidos.
Nota: 3,25


Sangue no olho – Lina Meruane
A protagonista do livro, Lucina, sofre de uma enfermidade que a deixa quase cega. A cegueira muda tudo ao seu redor, das pequenas coisas cotidianas aos relacionamentos com o namorado e com a família. A premissa do livro é interessante, mas achei o desenrolar da história meio arrastado.
Nota: 3


The female of the species – Mindy McGinnis
Alex Craft é uma garota estranha e isolada. Sua irmã foi assassinada alguns anos atrás e o assassino não foi punido, o que levou Alex a fazer justiça com as próprias mãos. Ela sente a violência dentro de si, e por isso tenta se manter afastada dos outros, até que se torna amiga de uma voluntária do abrigo de animais local e se aproxima do garoto popular da escola. O livro toca em questões importantes, mas o desenvolvimento no final deixou a desejar. Não gostei muito do relacionamento da protagonista com o garoto interessado nela e fiquei torcendo o tempo todo para que algo desse muito errado entre eles.
Nota: 3,25


A personagem de ficção – Antonio Candido e outros
O livro reúne ensaios sobre a personagem na literatura, no cinema e no teatro. Comprei para a faculdade, só li anos depois. Não é chato, os textos são tranquilos de ler, mas são bem introdutórios.
Nota: 3,25

Quadrinhos


O homem que passeia – Jiro Taniguchi
Esse mangá reúne várias histórias sobre o ato de passear. O protagonista explora ruelas desconhecidas, observa as pessoas, leva o cachorro para passear, reflete sobre a vida etc. São histórias bonitas e simples, às vezes meio sem graça.
Nota: 3,25


Rosalie Lightning – Tom Hart
Quadrinho memorial sobre a morte prematura de Rosalie, filha do autor. É um livro bonito e triste sobre a perda e o luto. Mesmo assim, eu esperava um pouco mais e achei algumas partes desinteressantes.
Nota: 4

Animes e séries


Hoozuki no Reitetsu – 2ª temporada
Comentei sobre a primeira temporada nas Randomicidades de setembro. Essa segunda temporada, mesmo produzida anos depois, por outro estúdio, mantém a qualidade visual. As histórias e o humor continuam meio irregulares, mas como eu estava mais apegada aos personagens, acho que gostei um pouquinho mais.
Nota: 3,5


Ping Pong The Animation
Meu primeiro contato com o Masaaki Yuasa como diretor e já posso dizer que adoro o estilo dele. Talvez a história de Ping Pong não tenha sido tão empolgante para manter o meu interesse no ápice durante todos os episódios, mas adorei o desenvolvimento dos personagens, a estética, a trilha sonora e o jeitão estilizado das partidas.
Nota: 4


Otogizoushi
Anime meio estranho dividido em duas partes: na primeira, estamos na era Heian em Quioto e acompanhamos uma jovem em busca de artefatos mágicos que reestabelecerão a paz da capital; na segunda, estamos nos tempos modernos, acompanhando as versões modernas dos personagens investigando acontecimentos misteriosos em Tóquio. Fui assistir atraída pela parte histórica, que achei bem satisfatória. A segunda parte, no entanto, apesar de alguns bons momentos, não casou tão bem com o começo do anime.
Nota: 3


The Good Place
Nessa série, uma mulher morre e vai parar no Good Place, uma espécie de paraíso para quem foi bom em vida. Porém, ela logo percebe que selecionaram a pessoa errada e passa a fazer o possível para se adaptar ao novo ambiente e ao que se espera dela. Achei bem divertida e devorei a primeira temporada em pouquíssimo tempo. Da segunda não gostei tanto assim, mas ainda é bem legalzinha.
Nota: 3,75

Filmes


Me chame pelo seu nome
Tentei ver alguns filmes do Oscar antes da premiação, mas, como sempre, não deu muito certo. Meu maior hype para esse filme era que o Sufjan Stevens compôs músicas para ele e, no final, o que mais valeu a pena foi a música “Mystery of Love” e, posteriormente, a tarde agradável que passei redescobrindo as músicas do Sufjan. O filme é esteticamente agradável e tem momentos bonitos, mas o relacionamento entre os protagonistas não me agradou muito e a diferença de idade me incomodou um pouquinho, talvez.
Nota: 3,25


Cães de aluguel
Filme do Tarantino sobre um grupo de seis ladrões após um roubo mal-sucedido, que gera a suspeita de que alguém do bando os traiu. Gostei do modo não-linear em que o filme se desenvolve e achei o final muito satisfatório.
Nota: 3,75


Personal Shopper
Filme com a Kristen Stewart em que ela trabalha como personal shopper em Paris, cidade em que seu irmão gêmeo morreu. Lá, ela, que é médium, aguarda algum sinal do irmão, até que passa a receber mensagens misteriosas. Não esperava muito do filme e até que achei interessante.
Nota: 3,25