terça-feira, 7 de abril de 2015

Anime: Hakuoki


Resolvi começar a assistir a esse anime por apenas um motivo: Shinsengumi. Para quem não sabe, o Shinsengumi foi um grupo de espadachins que serviu ao xogunato no final desse regime. Ele foi derrotado em 1869, mas o grupo permaneceu no imaginário japonês como exemplo de heroísmo e inspirou diversos filmes, livros, séries, mangás e animes.

Meu primeiro contato com o Shinsengumi se deu por meio do anime Rurouni Kenshin e, depois disso, como sou obcecada por todas as coisas que tenham a ver com a série, fiquei com vontade de assistir tudo quanto é anime que se passa no mesmo período.

E então chegamos a Hakuoki, anime baseado em uma visual novel (traduzindo: um jogo de video game que conta uma história em que os acontecimentos dependem das escolhas tomadas pelo jogador. Pelo que eu entendi, ele basicamente mostra imagens e texto e em certos pontos oferece opções para o jogador escolher) otome (traduzindo: voltado principalmente para meninas). Eu não estava muito animada para assistir ao anime porque ele é do gênero(?) harém (no qual o/a protagonista fica cercado por gente do sexo oposto) e, desculpem, tenho preconceito. Mas o Shinsengumi falou mais forte e lá fui eu assistir.

O anime consiste em três temporadas de 10 a 12 episódios cada (Hakuoki, Hakuoki Hekketsuroku e a prequel Hakuoki Reimeiroku), um OVA e dois filmes. Não vi os filmes pois eles parecem ser basicamente a mesma história da série e não vejo sentido nessas coisas de ficar reciclando a história.

Chizuru
As duas primeiras temporadas do anime contam a história de Chizuru Yukimura, que vai a Kyoto em busca do pai, um médico. Lá ela é atacada por um homem demoníaco e salva por membros do Shinsengumi. Ao descobrirem que ela é filha do médico que trabalhou com eles desenvolvendo um elixir que transforma homens em demônios extremamente fortes, decidem ajudá-la a encontrar o pai. Chizuru passa então a acompanhar o cotidiano do grupo em suas batalhas e missões.

O anime tem um ritmo irregular e a primeira temporada é bem chatinha. Muita coisa acontece durante o período, mas os acontecimentos são apenas citados superficialmente e aí não dá para se envolver. É na segunda temporada que as coisas melhoram e ficam mais dramáticas, com a trama dos demônios se definindo e os eventos históricos mais bem explorados.

Minha maior crítica ao anime é igual a de quase todo mundo: a protagonista é chata. Sim, estamos no século XIX e as mulheres não lutavam. Sim, ela faz o melhor que pode dadas as circunstâncias. Isso não muda o fato de ser cansativo ver inúmeras vezes a menina entrar no meio da bagunça, ficar paralisada de medo diante de um ataque e ser salva na última hora por um homem. Não estou pedindo que ela seja a maior espadachim do mundo, mas gostaria que os criadores do anime não ficassem colocando a coitada na posição de donzela em perigo o tempo todo. Isso pode ser condizente com a época, mas não é que a maioria do espectadores atuais quer. u_u

Ryunosuke
A terceira temporada do anime se beneficia da mudança de protagonista. Como é uma prequel, ela narra o início da trajetória do Shinsengumi, desde que era um grupo sem expressão até conseguir o apoio de clãs poderosos e se estabelecer oficialmente em Kyoto. O protagonista agora é Ryunosuke, um jovem encontrado ferido e salvo por Serizawa, comandante do Shinsengumi na época. Ele vira o criado de Serizawa e passa a viver na sede do Shinsengumi, tornando-se amigos de alguns dos membros do grupo. Ryunosuke é bem parecido com a Chizuru em um aspecto: ele é um protagonista que pouco age. Ele não participa das batalhas e também precisa ser salvo/protegido pelos outros. Também acho o Ryunosuke um personagem chatinho, mas ele interfere bem menos na história e isso o torna mais tolerável.

Uma observação: é curioso ver como a diferença de gênero interfere na opinião das pessoas sobre um personagem. Ryunosuke sofre do mesmo mal de Chizuru de entrar no meio da batalha tentando ajudar e acabar travando e precisando ser salvo. Quando isso acontecia com a Chizuru, a maioria das pessoas assistindo ficava irritada e odiava a personagem; com o Ryunosuke quase ninguém reclamava e alguns ainda gostavam do personagem.

Opinião da minha irmã ao ver essa imagem: parece uma boy band.

Ter protagonistas chatos não é um problema tão grande assim, pois todo mundo sabe o que realmente importa em Hakuoki: homens bonitos! Isso tem de monte, pena que a personalidade deles nem sempre é tão interessante. Depois de muitos episódios acabei me apegando aos personagens (principalmente ao Saito, ao Okita e ao Sanosuke), mas todos são meio unidimensionais.

Apesar de as primeiras temporadas contarem a parte mais importante da história do Shinsengumi, com as grandes batalhas que definiriam o futuro do Japão, achei a prequel mais interessante. A parte histórica não ficou tão jogada, há menos da trama dos demônios e os personagens são mais interessantes. Conhecemos melhor os membros do Shinsengumi, vemos suas personalidades se desenvolverem e temos um dos personagens mais fascinantes de toda a série, Serizawa, que é um antagonista/anti-herói diante do qual é difícil permanecer indiferente.

O interessante de Hakuoki é que, apesar de ter uma trama fantasiosa com demônios e focar bastante no romance, ele segue os fatos históricos com bastante precisão. Eu dei uma lida nas páginas da Wikipédia de algumas das figuras históricas citadas enquanto assistia e é curioso ver como quase tudo o que estava escrito lá aparece de alguma forma no anime. Para quem se interessa por essa parte da história do Japão, o anime é uma boa pedida (desde que você goste ou tenha tolerância a protagonistas insosos, caras bonitos e haréns).

Apesar de eu ter achado o anime fraco, senti que ele melhorou à medida que as temporadas progrediam, então não fiquei com uma má impressão no final. De qualquer forma, me senti recompensada por ter assistido tudo ao ver o curta que foi lançado junto com os OVAs, Hakuoki SSL, uma paródia escolar com os personagens do anime. Rolei de rir em algumas cenas!

E vou terminar essa resenha por aqui, porque ficou gigante e confusa. :P


2 comentários:

  1. Gostei da resenha, mas não pretendo assistir esse anime. Três temporadas, protagonistas sem graça e harém? Prefiro deixar para lá. :P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, acho que você não ia gostar mesmo

      Excluir