quinta-feira, 19 de setembro de 2019

Randomicidades: filmes de maio, junho e julho

Estou cada vez mais atrasada nas postagens, mas um dia eu chego lá...

Maio


Um monstro em Paris
Animação sobre um inseto gigante à solta em Paris. Enquanto uns o veem como ameaça, um grupo de amigos descobre seu talento para a música e tenta protegê-lo. Achei o filme simpático e gostei bastante das músicas.
Nota: 3,0


Pulp Fiction
Eu não sabia direito sobre o que era o filme, e foi uma experiência interessante ir descobrindo aos poucos. É um filme bem Tarantino. Gostei, mas mais para o final senti minha atenção começando a vagar.
Nota: 3,75

Junho


O hospedeiro
Com toda a atenção que o Bong Joon-ho recebeu em Cannes, fiquei curiosa para ver mais alguma coisa dele (assisti Mother faz uns anos e gostei bastante). O hospedeiro é sobre uma família que precisa se unir para resgatar a filha/neta/sobrinha que foi levada por um monstro. É um filme um pouco mais cômico do que eu esperava, com personagens meio atrapalhados. Achei divertido, mas esperava um pouco mais.
Nota: 3,0


Koe no Katachi
Li o mangá no ano passado, então estava com um pouco de receio de ver no filme apenas uma repetição sem personalidade da história que eu já conhecia. O filme é bem fiel à obra original, mas soube cortar o que foi preciso, tornando a história mais enxuta. Os problemas que tive com o mangá (basicamente, a personalidade da Shoko) continuam lá). Não dá para reclamar da parte técnica porque nisso a Kyoto Animation sempre manda bem.
Nota: 3,5


Tully
Uma mãe exausta, depois de muito hesitar, decide contrastar uma babá noturna, que é jovem, prestativa e cheia de energia. Não sei por que, mas eu imaginava que o filme seria meio tenso e ele não foi.
Nota: 3,25


Searching
Esse filme tem um formato bem inovador: ele mostra a história de um pai em busca da filha desaparecida por meio de mensagens de celular, redes sociais, pesquisas na internet, vídeos da webcam etc. No começo achei que esse formato dificultaria o meu envolvimento com a história e se tornaria cansativo com o tempo, mas não senti nada disso.
Nota: 3,75

Julho


Sonhos de uma noite de verão
Animação em stop-motion da clássica peça de Shakespeare. O estilo dos bonecos é bem único e combina com o tom onírico da obra. Achei o filme meio arrastado e confuso (li a peça faz uns anos, mas não lembro nada). Gostei da trilha sonora.
Nota: 2,75


Paranorman
Norman é visto como um esquisitão por todos, pois tem o poder de ver os mortos. Para piorar, ele recebe a missão de manter uma terrível bruxa adormecida, o que provoca o maior caos na cidade. Achei o filme divertido e a animação bem-feita.
Nota: 3,5


A criada
Sou muito fã de Oldboy, por isso tinha altas expectativas em relação a esse filme. As expectativas e o fato de só ter assistido agora, depois de muito ouvir e ler a respeito dele, acabaram me deixando levemente decepcionada, porque eu esperava incríveis reviravoltas e não tive tanto disso. Ainda assim, achei o filme bem bom, só não foi aquela coisa incrível.
Nota: 3,75

Curtas


Rain Town
Curta sobre uma cidade onde está sempre chovendo e que foi abandonada por boa parte de seus moradores. Achei a arte bonita.
Nota: 3,0


Shashinkan
Filme sobre um fotógrafo que tira retratos de uma família em diferentes momentos da vida. É um filme sem diálogos, simples, com arte charmosa, meio melancólico e muito bonito.
Nota: 4,0


Imbued Life
Curta em stop-motion sobre uma taxidermista que busca o contato com a natureza nas imagens tiradas dos cérebros dos animais que ela empalha. Não entendi bem o sentido do filme e achei meio arrastado.
Nota: 2,5

quinta-feira, 29 de agosto de 2019

Randomicidades: leituras de maio, junho e julho

Estou com os posts super atrasados, eu sei.

Como sou preguiçosa e não anoto nada sobre as leituras, filmes, etc. logo depois de ler, ver etc., acabo esquecendo o pouco que tenho a dizer sobre cada coisa. Por isso, vou comentar pouquíssimo sobre algumas coisas e um pouco mais sobre outras.

E como tem um monte de coisa acumulada, vou dividir os posts entre livros, filmes e animes/séries.

Maio


O casal que mora ao lado – Shari Lapena
Durante um jantar na casa dos vizinhos, um casal tem seu bebê sequestrado. Sem muitas pistas do paradeiro da filha, eles não sabem mais em quem confiar, e velhos ressentimentos vêm à tona. O livro até que prendeu minha atenção, mas achei que ele precisava de uma boa edição, porque tem muitos trechos repetitivos (o exemplo mais frequente de repetição é o de expor alguns fatos num diálogo, como um interrogatório da polícia, e depois repetir a mesmíssima informação nos pensamentos do personagem, o que se torna cansativo depois de um tempo).
Nota: 3,0


Reticências – Solaine Chioro
Livro curtinho e simpático sobre dois jovens que são muito amigos na internet, mas que passam por percalços na vida real por desconhecer a verdadeira identidade um do outro. Bom para quem gosta de uma comédia romântica.
Nota: 3,0


The Dispossessed – Ursula K. Le Guin
Um grupo de dissidentes de um planeta criou uma sociedade no planeta irmão. Anos depois, um cientista dessa nova sociedade vai visitar o planeta original. Gostei da premissa do livro e de todo o choque entre as duas culturas, mas achei a história meio arrastada e confusa em alguns momentos.
Nota: 3,25


Sir Gauchelot – Martyn Beardsley
Mais um da série de releituras de uns livros velhos meus ou da minha irmã. Sir Gauchelot é um cavaleiro do rei Arthur, muito cortês e nobre, mas um tanto desajeitado. Quando a rainha Guinevere é raptada, cabe a ele salvá-la. O livro é bonitinho e divertido.
Nota: 3,25


Blue Lily, Lily Blue – Maggie Stiefvater
Terceiro livro da série The Raven Cycle, mais focado em Blue, que até é uma personagem interessante, mas ao mesmo tempo é meio sem sal. A história do livro tem um bom ritmo e as cenas do Ronan e do Adam são boas, mas esse volume me pareceu mais um livro de transição do que os outros, o que o torna pouco memorável.
Nota: 3,5


The Raven King – Maggie Stiefvater
Último livro da série e provavelmente o que mais me envolveu na leitura. Por outro lado, é o que tem mais defeitos óbvios, como um fim anticlimático, um personagem que pouco acrescenta à trama e surge de repente e algumas pontas soltas. Esperava que o foco no Gansey fosse maior, mas Adam e Ronan continuaram recebendo bastante atenção e, como eles se tornaram meus favoritos, fiquei bem satisfeita com isso.
Nota: 3,75


Amizades, cacatuas e outras coisas fora de controle – Mareska Cruz
Livro curtinho sobre duas amigas que se afastaram e agora precisam se entender para fazer um trabalho de literatura. É divertido, mas algumas coisas são meio forçadas e não sou muito fã de desentendimentos que se prolongam demais quando poderiam ser resolvidos com uma simples conversa.
Nota: 3,0

Junho


Múltipla escolha – Alejandro Zambra
Pequenos contos escritos na forma de uma prova de múltipla escolha, com exercícios para preencher lacunas ou para determinar a ordem da história. O formato é curioso e funcionou bem para mim, embora eu tenha sentido que quando os contos se tornaram mais longos o formato não fez muita diferença.
Nota: 3,75


O encantamento de Lily Dahl – Siri Hustvedt
Livro sobre uma jovem garçonete que sonha em ser atriz e vive em uma cidadezinha pacata, onde nada acontece. Até que coisas começam a acontecer. Faz tempo que eu queria ler algo dessa autora e, se o livro não me animou muito a ler mais, também não me desanimou. 
Nota: 3,0


Flores para Algernon – Daniel Keyes
Charlie é cobaia de uma cirurgia revolucionária que promete aumentar o Q.I. No início entusiasmado com sua nova inteligência, aos poucos ele vai percebendo como ela afeta seu relacionamento com os outros. É uma história bastante instigante e eu estava gostando muito no começo, mas sinto que ela perdeu o fôlego mais para o fim.
Nota: 3,75


Junie B. Jones e sua grande boca – Barbara Park
Mais um livrinho da Junie B. Jones. É divertido, e isso é o que eu tenho a dizer.
Nota: 3


Como o soldado conserta o gramofone - Saša Stanišić
Aleksander vive na Bósnia e adora contar histórias. Quando a guerra atinge sua cidade e ele foge com a família para a Alemanha, é através dessas histórias que ele preservará sua memória. É um tipo de livro meio “Peixe grande”, talvez, mas um pouco menos fantasioso. Achei bem interessante, mas meio cansativo.
Nota: 3,25

Julho


Alma? – Gail Carriger
Ambientado na Inglaterra vitoriana, o livro acompanha uma jovem de personalidade forte que se envolve nos assuntos dos vampiros e lobisomens locais (e acaba se envolvendo com o líder dos lobisomens, um sujeito meio bruto que adora provocá-la). Achei o livro divertido, mas em certo momento o romance entre os dois personagens centrais me cansou. Não quero ficar vendo eles se pegando bem no laboratório dos inimigos!
Nota: 3,25


Spinning – Tillie Walden
Não é segredo para ninguém que eu amo patinação no gelo, então o maior atrativo para mim nessa graphic novel era o esporte. Spinning é um livro de memórias sobre a infância e adolescência da autora, que competia na patinação mas foi perdendo a paixão por ela e encontrando novos interesses. Achei interessante ver a rotina dela como patinadora e ter vislumbres da vida da autora fora do gelo, como ela descobrindo sua sexualidade ou o relacionamento com a família.
Nota: 4,0


A house at the bottom of a lake – Josh Malerman
Um garoto convida a menina de quem gosta para um passeio de barco no lago. Eles descobrem uma passagem para um lago menor e, no fundo desse lago, uma grande casa submersa. Essa novela faz parte de uma coleção de terror e isso acabou moldando minhas expectativas. O livro até apresenta um ou outro momento mais assustador, mas no geral eu não o classificaria dentro do gênero. Dito isso, eu estava gostando bastante até o final, que me deixou meio confusa.
Nota: 3,5


Dodge – Clara Madrigano
Conto sobre uma garota que perdeu o cão, Dodge. Ele é bastante surpreendente, mas sinto que poderia ter sido mais bem desenvolvido. Senti que estava lendo o argumento para uma história e não a história em si.
Nota: 3,0


As alegrias da maternidade – Buchi Emecheta
Fiz uma leitura conjunta com a Lulu, do blog Lulunettes, mas, como estou com o blog todo atrasado, vou escrever minhas impressões de leitura aqui mesmo. O livro narra os percalços de Nnu Ego, filha de um grande líder tribal que se casa com um homem que vive em Lagos. Na cidade, ela vive o contraste entre a cultura de seu povo e o modo de vida colonizado. Em geral gosto bastante de livros que mostram um grande choque cultural, e esse caso não foi diferente. A escrita é bastante fluida e gostei bastante de como os conflitos internos da personagem foram mostrados. 
Nota: 4,0


Quinze dias – Vitor Martins
Felipe queria passar as férias pondo as séries em dia, mas descobre que o vizinho gato com quem ele costumava brincar na infância vai passar quinze dias em sua casa. Achei essa premissa meio forçada, porque quem é que deixa o filho adolescente com quase desconhecidos quando vai viajar? Mesmo que a mãe não confie tanto no filho, como vai confiar em quase estranhos? No entanto, se você relevar isso, o livro é muito fofinho e divertido.
Nota: 3,5


Como vivem os mortos – Will Self
Lily Bloom morreu e foi viver no subúrbio onde os mortos habitam. Enquanto se adapta à sua nova “vida”, ela lembra do passado e dos seus últimos momentos. O livro é meio maluco e irreverente, mas o estilo do Will Self está começando e me cansar.
Nota: 3,25


Bom dia, camaradas – Ondjaki
Livro sobre a infância em Luanda nos anos 1980, entre boatos na escola, professores cubanos, brincadeiras e conflitos políticos. Tudo sob o ponto de vista de um menino. Já é o terceiro livro do autor que leio que segue essa linha. Todos são meio parecidos, mas eu ainda leria mais.
Nota: 3,5

Aquisições


Meu aniversário foi em maio e ganhei o As alegrias da maternidade da Lulu. O manual da faxineira e Um amor incômodo foram trocas de um livro que ganhei dos meus tios e que eu já tinha.


Essas foram compras minhas e da minha irmã em uma promoção na internet. Os livros estavam bem baratinhos, não deu para resistir.


E, finalmente, esses livros vieram de uma troca no sebo.

---

E foi isso! Em breve volto com os filmes que vi nos últimos meses.

segunda-feira, 27 de maio de 2019

Randomicidades do mês: abril

Já estamos quase em junho, mas as randomicidades são de abril. :P

Livros lidos


A fórmula preferida do professor – Yoko Ogawa
O livro mostra a amizade inusitada entre um ex-professor de matemática com problemas de memória, sua empregada e o filho dela. Como não sou muito fã de matemática, imaginei que alguns trechos mais focados em números seriam meio chatinhos, e estava certa. No entanto, a matemática não ocupa tanto espaço assim na narrativa, então não cheguei a ficar muito entediada.
Nota: 3,25


Junie B. Jones e uma pequena macaquice – Barbara Park
Segundo livro da série. Nele, Junie B. Jones ganha um irmãozinho, e um pequeno desentendimento a leva a acreditar que o bebê é muito diferente dos outros bebês. O livro é divertidinho.
Nota: 3


The Raven Boys – Maggie Stiefvater
Ouvi falar muito bem dessa série, mas tinha receio de não gostar. Esse primeiro livro é uma boa introdução ao universo mágico e aos personagens, mostrando a busca de um grupo de amigos por um rei lendário que supostamente está adormecido em um túmulo e que concede um desejo a quem o despertar. Agora que já terminei a série, é curioso pensar em como comecei meio indiferente aos personagens e acabei mudando de opinião em relação a alguns de quem não gostava (Ronan) e me apegando fortemente a outros (Adam).
Nota: 3,25


Disque fantasma – Eva Ibbotson
Mais uma releitura de um livro da infância. Nele, uma agência que busca lares para fantasmas desabrigados faz uma confusão e manda os fantasmas errados para um castelo, provocando grandes confusões. No passado, eu gostava bastante desse livro; hoje, achei simpático, mas não muito marcante.
Nota: 3,25


Homens sem mulheres – Haruki Murakami
O livro reúne sete contos do autor sobre relacionamentos amorosos e solidão. Não sou tão fã do Murakami assim (gosto muito de Norwegian Wood, primeiro livro que li dele, mas não gostei tanto dos outros) e no geral os contos ficaram dentro das minhas expectativas não muito altas. Provavelmente meu preferido foi “Samsa apaixonado” sobre um inseto que acorda e se descobre humano.
Nota: 3


A assombração de Hiram – Eva Ibbotson
Outro livro de infância. É um pouco parecido com Disque fantasma por ser protagonizado por fantasmas e também envolver uma mudança de lar, por isso não foi uma boa ideia ler os dois em um curto intervalo de tempo.
Nota: 2,75


The Dream Thieves – Maggie Stiefvater
Nesse livro, o foco é Ronan, o garoto rebelde que eu odiei no primeiro livro e comecei a compreender neste. Achei a história desse volume um pouco mais interessante, um pouco mais urgente, ou talvez tenha achado isso porque estava mais apegada aos personagens.
Nota: 3,25

Animes e séries


Rokuhoudou Yotsuiro Biyori
Tenho um fraco por animes tranquilinhos que se passam em um restaurante/envolvem comida. Consequentemente, adorei esse aqui, que mostra o dia-a-dia de um grupo de quatro amigos que trabalham em um café em estilo tradicional japonês, com foco também em alguns clientes habituais. As comidas e bebidas parecem deliciosas, os personagens são divertidos e têm uma boa química e o clima é relaxante.
Nota: 4


Yama no Susume (2ª temporada)
Anime sobre garotas fofinhas que gostam de montanhismo. Na primeira temporada, os episódios eram curtíssimos, enquanto nessa eles passam a ter uns 12 minutos, o que significa que dá para desenvolver melhor os personagens e criar situações mais complexas, com montanhas mais desafiadoras. O anime é muito gostosinho de assistir e me deu vontade de fazer trilhas, subir montanhas e ficar em contato com a natureza.
Nota: 4


Doukyonin wa Hiza, Tokidoki, Atama no Ue
Subaru é um escritor que não gosta de pessoas. Ao encontrar uma gata, ele se inspira a escrever um livro protagonizado pelo animal e decide cuidar dela. Entre confusões de dono novato e momentos de diversão, ele acaba se apegando ao bichinho e se abrindo mais às pessoas ao seu redor. O anime é fofo, mas às vezes eu achei meio sentimental demais.
Nota: 3,5


Ainori Love Van: Asia (2ª temporada)
Nesse reality show um grupo de homens e mulheres viaja pela Ásia em busca de romance. Gostei da seleção de países dessa temporada, com mais lugares da Ásia Central, que não conheço muito bem. Não gostei do excesso de foco em uma participante barraqueira que agrediu colegas e vivia causando drama. Eu gostava dela na primeira temporada, mas aqui ela passou dos limites.
Nota: 3,5 


ACCA: 13-ku Kansatsu-ka
Achei esse anime um tanto inusitado. É uma trama política protagonizada por um funcionário de um órgão de inspeção que viaja pelo país para investigar os boatos sobre um golpe de estado. A narrativa é lenta e sutil no início, mas vai te prendendo aos poucos com pequenas dicas do que está para acontecer, e a arte e a música são ótimas, muito estilosas.
Nota: 4


Bakuman (3ª temporada)
Última temporada sobre a dupla de mangakas que luta pelo sonho de viver de mangás e ter uma de suas obras transformada em anime. Quando comecei a assistir o anime, não tinha muitas expectativas, mas ele acabou se revelando muito mais divertido e viciante do que eu esperava. Não sou muito fã da premissa básica da obra e de um dos protagonistas, mas os coadjuvantes carismáticos e o clima empolgante que o anime cria compensam.
Nota: 4


Magic Knight Rayearth (1ª temporada)
Tenho uma leve lembrança de ver esse anime na infância, mas não tenho certeza se vi mesmo. Nada nele me despertou a memória (embora eu já tenha lido o mangá, então se algo soou familiar, provavelmente é por causa disso). O desenho mostra a aventura de três garotas transportadas para um reino mágico, onde recebem poderes e a missão de salvar a princesa. A história é interessante, mas achei o ritmo irregular e alguns momentos cômicos exagerados. Os personagens poderiam ser mais bem construídos.
Nota: 2,5

Especiais, curtas etc.


Toshi wo Totta Wani
Um crocodilo muito velho não consegue mais caçar, o que o leva a devorar seu neto. Banido pela família, ele vaga até encontrar um polvo, de quem se torna amigo, porém ele se sente tentado a devorar os tentáculos apetitosos do polvo. Achei esse curta meio estranho, não entendi muito bem o que ele quer dizer. Gostei da arte.
Nota: 3


Yama no Susume – Omoide Present
O especial apresenta dois episódios: um sobre a Kokona passeando pela cidade e um sobre Hinata e Aoi relembrando um evento de suas infâncias. O especial mantém o clima relaxante da série, mas as histórias mostradas não são das mais marcantes.
Nota: 3,25

Filmes


Kokoro ga Sakebitagatterunda.
Após uma experiência traumática, uma menina não consegue mais falar. Para o desespero dela, o professor a seleciona para organizar o musical da escola. Ao lado de colegas com quem ela logo fará amizade, ela vai lutar para conseguir mostrar sua voz interior. Esse filme me surpreendeu bastante com seus toques de conto de fadas na narração e com as canções do musical. Adorei a versão de Somewhere Over the Rainbow misturada com a Sonata Patética de Beethoven. Apesar de forçar no melodrama em alguns momentos, a história e os personagens me agradaram muito.
Nota: 4


Frances Ha
Frances é uma jovem de vinte e tantos anos que aproveita a sua juventude em Nova York e quer viver ao máximo ao mesmo tempo não sabe muito bem o que fazer da vida. Não gostei muito da personagem, confesso que a achei irritante. Talvez o filme não seja para mim.
Nota: 3


Mahou Shoujo Madoka Magica: Hajimari no Monogatari
Não tenho muito a falar sobre esse e o próximo filme porque eles basicamente são versões em longa-metragem do anime para TV. A qualidade da animação é melhor, mas não noto muito isso, e há alguns cortes e adições, mas nada que mude muito. Tinha medo de que fosse parecer uma versão resumida da série, mas até que ficou coeso.
Nota: 3,5


Mahou Shoujo Madoka Magica: Eien no Monogatari
Como eu lembrava razoavelmente bem da história, as revelações não foram tão impactantes quanto da primeira vez, o que fez o filme ficar meio sem graça. Mas claro que isso não é culpa do filme, e sim de eu já ter visto o anime.
Nota: 3,5


Birdman
Um ator em decadência que no passado estrelou um grande filme de herói tenta emplacar na Broadway, mas sua insegurança e o relacionamento conturbado com os colegas o atrapalham. Faz tempo que eu queria ver esse filme, mas sempre ficava com preguiça.
Nota: 3,75